A guerra da Rússia contra a Ucrânia: Dia 70, 4 de maio – Atualização nº 2

Atualização do dia 70 da guerra Rússia-Ucrânia

A guerra da Rússia contra a Ucrânia: Dia 70, 4 de maio – Atualização nº 2
Uma fotografia tirada em 4 de maio de 2022 mostra um veículo de combate de infantaria BMP-3 russo destruído em uma estrada perto de Pokrovske, leste da Ucrânia, em meio à invasão russa da Ucrânia. - O incêndio em um prédio de armazenamento do comprimento de um campo de futebol está queimando há pelo menos um dia - mas não há bombeiros em Temyrivka porque todos foram evacuados, deixando a fumaça preta subir sem pressa. (Foto de Dimitar DILKOFF/AFP) Foto por AFP

– ‘Luta pesada’ em Azovstal –

O prefeito da cidade ucraniana destruída de Mariupol diz que o contato foi perdido com as forças ucranianas escondidas na siderúrgica Azovstal em meio a “combates intensos” com tropas russas.

As autoridades da cidade não têm como saber “o que está acontecendo, se são seguros ou não”, disse Vadym Boichenko à televisão ucraniana.

Seus comentários vêm depois que o Kremlin negou que a Rússia estivesse invadindo a fábrica depois que a Ucrânia acusou Moscou de lançar um ataque “poderoso” à zona industrial, o último reduto das forças ucranianas.

– 20 corpos foram encontrados na região de Kiev –

Os corpos de outros 20 civis foram encontrados nas últimas 24 horas na região de Kiev, segundo a polícia, elevando o número total encontrado até agora para 1.235.

O chefe da polícia regional de Kiev, Andriy Nebytov, diz que as últimas descobertas foram encontradas em Borodianka e nas aldeias vizinhas, a cerca de 25 quilômetros de Bucha, a cidade perto de Kiev que hoje é sinônimo de alegações de crimes de guerra russos.

– Desfile militar de Mariupol planejado: Kiev –

A Ucrânia acusa a Rússia de planejar uma parada militar na cidade destruída de Mariupol em 9 de maio para comemorar a vitória sobre os nazistas na Segunda Guerra Mundial.

Kiev diz que um funcionário da administração presidencial da Rússia chegou à estratégica cidade portuária do sul para supervisionar os planos para o desfile do Dia da Vitória.

– Novas sanções da UE, proibição do petróleo tomam forma –

A chefe da UE, Ursula von der Leyen, disse que o bloco vai impor uma proibição gradual do petróleo russo, como parte de novas sanções para punir a Rússia por invadir a Ucrânia.

“Vamos eliminar gradualmente o fornecimento russo de petróleo bruto dentro de seis meses e produtos refinados até o final do ano”, disse ela ao Parlamento Europeu.

Em um documento visto pela AFP, a proposta de von der Leyen pede que a Hungria e a Eslováquia, ambas altamente dependentes do petróleo russo, tenham mais tempo para cumprir a proibição.

O executivo da UE também propõe sancionar o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarca Kirill, e excluir o banco russo Sberbank da rede SWIFT.

– O ataque oriental continua –

As forças russas continuam a atacar locais no leste do país, diz o estado-maior da Ucrânia, enquanto Moscou busca estabelecer “controle total” das regiões de Lugansk e Donetsk e manter um corredor terrestre para a Crimeia ocupada.

Em Luhansk, o governador Serhiy Haidai diz que duas pessoas morreram nas últimas 24 horas, e “toda a região está completamente sob fogo, não há lugar seguro”.

– E em outros lugares –

O Ministério da Defesa da Rússia diz que suas armas aéreas e marítimas destruíram seis subestações elétricas perto de ferrovias, incluindo Lviv, a oeste, perto de Odesa, ao sul, e perto de Dnipropetrovsk, a sudeste.

– Evacuados chegam a Zaporizhzhia –

Outras evacuações de Mariupol são esperadas na quarta-feira, um dia depois que 156 pessoas chegaram à cidade de Zaporizhzhia, controlada pela Ucrânia.

– Bielorrússia lança manobras surpresa –

A Bielorrússia, aliada de Moscou que faz fronteira com a Ucrânia, lança manobras militares "surpresa", para testar a capacidade reativa de seu exército, diz o Ministério da Defesa.

As unidades militares da Bielorrússia estavam testando sua capacidade de “ficar em alerta, mover-se para zonas predeterminadas e realizar treinamento de combate”, diz o documento.

– UE para apoiar a Moldávia –

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, promete aumentar a ajuda militar da UE à Moldávia, vizinha da Ucrânia que viu uma série de ataques em uma região separatista pró-Moscou.

– Rússia boicota reunião da ONU –

Em um movimento raro, a Rússia boicotará uma reunião do Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira com o Comitê Político e de Segurança da UE (PSC), dizem diplomatas, mais um sinal da deterioração das relações entre Moscou e seus parceiros das Nações Unidas.