Bolsonaro trolla Leonardo DiCaprio por compartilhar notícias ambientais falsas

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro trocou farpas com o ator Leonardo DiCaprio na sexta-feira, depois que DiCaprio pediu aos jovens brasileiros que votem em um “planeta saudável”, sugerindo implicitamente que votem contra o presidente em exercício nas eleições gerais de outubro. Bolsonaro retaliou ao descartar DiCaprio como uma ferramenta de “bandidos que servem a interesses especiais estrangeiros”.

Bolsonaro trolla Leonardo DiCaprio por compartilhar notícias ambientais falsas

* Direto da Breitbart

DiCaprio, um autointitulado ambientalista sem absolutamente nenhum interesse em reduzir sua própria pegada de carbono titânica, twittou um link para um site de registro de eleitores brasileiro na quinta-feira:

Os jovens brasileiros tendem a ser ainda mais apáticos em votar do que os adolescentes na maioria dos outros países, um problema que a esquerda brasileira está tentando resolver em nome do desafiante Luiz Inácio Lula da Silva.

Pesquisas mostram que os eleitores jovens tendem a não gostar de Bolsonaro, mas o registro de eleitores de 16 e 17 anos caiu de 2,5 milhões para pouco mais de 630.000 nos últimos dez anos. O entusiasmo mesmo deste menor bloco eleitoral de jovens para Lula, de 75 anos, é questionável, já que ele foi condenado a 25 anos de prisão por um enorme escândalo de suborno, e a corrupção tende a ser um grande problema entre os jovens eleitores em todo o mundo. A condenação de Lula foi anulada em março de 2021, abrindo caminho para sua candidatura presidencial.

O interesse em recrutar jovens eleitores se intensificou à medida que a vantagem de Lula nas pesquisas sobre Bolsonaro diminuiu para nove pontos ou menos. Como o tweet de DiCaprio, amante de iates, indicou, 4 de maio é o prazo final para o registro de eleitores no Brasil.

Bolsonaro respondeu ao fogo na sexta-feira ao descartar DiCaprio como uma ferramenta de “bandidos que servem a interesses especiais estrangeiros”. Ele acrescentou alguns aplausos pela atuação de DiCaprio no filme de 2015 The Revenant – o filme em que Leo é selvagemente atacado por um urso bravo.

Bolsonaro chamou ainda mais DiCaprio por hipocrisia e pesquisa ambiental descuidada:

Bolsonaro e DiCaprio já entraram em confronto em público antes. Em novembro de 2019, Bolsonaro acusou o ator de financiar organizações não governamentais (ONGs) que mais tarde se envolveram em incêndios na floresta amazônica e culpou o governo brasileiro.

“Leonardo DiCaprio, você está colaborando com a queima da Amazônia”, disse Bolsonaro na época.

O ex-funcionário do Departamento de Estado Scott Hamilton, que se aposentou na semana passada, atacou Bolsonaro escrevendo um artigo de sábado para o jornal brasileiro O Globo, no qual recomendou que os EUA liderassem sanções internacionais contra Bolsonaro se ele tentar minar a eleição de outubro.

Hamilton acusou Bolsonaro e seus apoiadores de tentar “sabotar a integridade do processo democrático brasileiro” e “minar a fé do público” no sistema eleitoral, a fim de “preparar o cenário para o esforço de se recusar a aceitar seu resultado”.

"Ele se vê como um enviado de Deus para salvar o Brasil do 'comunismo'. É uma visão messiânica impermeável à razão", disse Hamilton.

Durante a campanha presidencial dos EUA em 2020, o candidato Joe Biden ameaçou destruir a economia brasileira devido à sua suposta irresponsabilidade no combate aos incêndios na Amazônia. Bolsonaro respondeu ameaçando usar “pólvora” contra os EUA se Biden vencesse a eleição e implementasse seu plano.