Coronavírus: cientistas israelenses alertam sobre retorno da Delta no verão

Pesquisadores israelenses estão alertando que o mundo testemunhará outro surto de coronavírus neste verão com uma nova cepa ou o retorno da variante Delta.

Coronavírus: cientistas israelenses alertam sobre retorno da Delta no verão

Um estudo de modelagem revisado por pares  publicado na semana passada descobriu que enquanto a Delta eliminou as variantes que a precederam, a Omicron não fez o mesmo com a Delta. O estudo da Universidade Ben-Gurion do Negev (BGU) isolou variantes em águas residuais, indicando onde o vírus ainda está ativo.

De acordo com o engenheiro de biotecnologia, professor Ariel Kushmaro, e a pesquisadora Karin Yaniv, o Omicron e suas inúmeras subvariantes provavelmente se esgotarão nos próximos meses, mas a Delta pode estar esperando para ressurgir.

“Nossas descobertas destacam que a pandemia não acabou e sugerem que mais cedo ou mais tarde haverá outra onda, potencialmente no verão ou no final do verão”,  disse Kushmaro  ao Times of Israel, ecoando afirmações feitas em outros lugares.

“No passado, vimos que quando uma variante aumenta, outras desaparecem; mas isso não parece ter acontecido com a Delta, que parece ter uma certa capacidade de sobrevivência”, disse ele.

“Neste estudo, identificamos que, mesmo quando a Omicron estava em seu ponto mais alto nas águas residuais, a Delta ainda estava circulando”, acrescentou. “Os padrões que vemos indicam que a Omicron está em extinção, mas a Delta sobreviveu e está posicionada para possivelmente ressurgir”.

A epidemiologia baseada em águas residuais é uma ferramenta representativa útil para a contenção de pandemias, sustentaram os pesquisadores.

Kushmaro e Yaniv afirmaram que a Delta provavelmente continuará a circular, chamada de circulação enigmática, sem ser detectada até que outra onda surja.

“De acordo com o modelo desenvolvido, pode-se esperar que os níveis de Omicron diminuam até serem eliminados, enquanto a variante Delta manterá sua circulação enigmática”, escreveram eles. “Se isso acontecer, a circulação enigmática mencionada pode resultar no ressurgimento de uma onda de morbidade Delta ou na possível geração de uma nova variante ameaçadora”.