Censipam aperfeiçoa monitoramento da Amazônia Legal

O Censipam desenvolveu o aplicativo Olhos de Águia para coleta de coordenadas geográficas, imagens e informações das queimadas. Os dados armazenados geraram subsídios para o planejamento das ações de combate aos incêndios.

Censipam aperfeiçoa monitoramento da Amazônia Legal
Fotos: Divulgação/ MD

Brasília(DF), 28/12/2019 – O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) avançou, em 2019, nas ações de desenvolvimento sustentável e defesa da Amazônia Legal brasileira. O órgão, que compõe a estrutura do Ministério da Defesa, aperfeiçoou mecanismos de gestão e investiu em novas soluções para melhorar o monitoramento da região.

Este ano, o Conselho Deliberativo do Sistema de Proteção da Amazônia (Consipam) reuniu-se em três ocasiões, para debater sobre a implementação de ações estratégicas de governo, visando proteger a Amazônia. Entre os destaques estão a expansão da área de monitoramento satelital para a Amazônia Azul e a inclusão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no conselho.

“Seguimos firmes no combate ao desmatamento. Uma auditoria feita pelo Ibama constatou que os alertas de desmatamento do Censipam têm 90% de acerto. Nossa intenção é alcançar 100% de precisão”, afirmou o diretor-geral do Censipam, José Hugo Volkmer.


esta imagem não possui descrição


De 24 de agosto a 23 de outubro, o Censipam participou da Operação Verde Brasil, no combate a delitos ambientais na Amazônia Legal. A partir da atuação do Ministério da Defesa, o número de focos de calor ficou abaixo da média histórica, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Durante a operação, o Censipam disponibilizou dois sistemas para emprego das equipes de planejamento e de campo. Atualizada em 2019, a plataforma SipamHidro forneceu mapas com dados detalhados sobre locais com focos de calor, expectativa de chuvas e descargas atmosféricas.

O Censipam também desenvolveu o aplicativo Olhos de Águia para coleta de coordenadas geográficas, imagens e informações das queimadas. Os dados armazenados geraram subsídios para o planejamento das ações de combate aos incêndios. Em outubro, uma nova versão do aplicativo foi desenvolvida para apoiar equipes na captura de informações sobre as manchas de óleo encontradas no litoral brasileiro. Os usuários têm acesso a estatísticas sobre a quantidade de manchas por estados e municípios.


esta imagem não possui descrição

“Por meio do celular, é possível fazer fotos dos focos de calor ou óleo e enviar a geolocalização e outras informações para um banco de dados. Dessa forma, qualquer cidadão pode contribuir para a proteção da Amazônia”, afirmou o desenvolvedor do aplicativo, o servidor do Censipam em Porto Velho (RO), Mário Fraga.

O Censipam também reforçou a busca por novos parceiros no desenvolvimento sustentável da Amazônia. Um deles é a Embrapa Territorial, que realiza pesquisas sobre monitoramento territorial para a agricultura brasileira. As instituições firmaram acordo para desenvolver pesquisas para identificar e qualificar o desmatamento e orientar políticas públicas na região amazônica.

Visando uma atuação integrada na região, o Censipam reativou a parceria com as Secretarias Estaduais de Meio Ambiente dos nove estados da Amazônia Legal. A intenção é que haja mais interação, com maior emprego dos sistemas SipamHidro e SipamSAR e outras ferramentas de monitoramento de rios e florestas.

Outro exemplo dessa integração foi a instalação do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública - Regional Norte - na sede do Censipam em Manaus (AM). Ocupando uma área de 705 m2, o centro coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública possibilitará mais agilidade no fluxo de informações entres as agências dos estados da região.


esta imagem não possui descrição


O Censipam iniciou em outubro a instalação de novas antenas de comunicação satelital para atender órgãos parceiros instalados em regiões isoladas na Amazônia. As comunicações agora passam a ser feitas por meio do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC). A versão portátil da antena tem 75 cm de diâmetro e 8 horas de autonomia. Por meio dela, é possível realizar transmissões de dados e voz de até 20 MB, diretamente via satélite.

Com foco na melhoria da gestão administrativa, o Centro de Coordenação Geral do Censipam, em Brasília, realizou em 2019 o mapeamento e o incremento dos processos da unidade. O objetivo é padronizar o trabalho e identificar oportunidades de melhoria, aumentando a eficiência da instituição. A meta é que, em 2020, as demais unidades do Censipam também implementem a melhoria de processos.

O Censipam também promoveu a atualização dos objetivos estratégicos da instituição para os próximos anos. Com a participação de servidores das áreas administrativas, técnica, operacional e de inteligência, foram definidas novas metas visando o desenvolvimento sustentável e a proteção da Amazônia.

esta imagem não possui descrição


Por William Cavalcanti
Fotos: Divulgação/ MD